Portal do Governo Brasileiro
Portal do Consumidor - Notícias
Aumentar Contraste Diminuir Fonte Aumentar Fonte







  
Notícias
Material escolar sai 10% mais barato nas compras coletivas
6/1/2014
imagem transparente

Descontos bancam a compra de um dos livros e ainda sobra troco. Saiba como proceder

Rio - Pais poderão reduzir as despesas com material escolar em pelo menos 10% adotando a prática da compra coletiva e reunindo grupo de outros responsáveis, tendo um deles registro profissional de professor. Para se ter uma ideia, uma lista de livros do 3º ano do Ensino Fundamental custa, segundo levantamento feito pelo DIA, R$ 762,30, mas com o abatimento de preços sai por R$ 686,07, ou seja, uma economia de R$ 76,23.

Os itens de papelaria também para o 3º ano do Ensino Fundamental custam R$171,45, elevando o gasto total a R$ 933,75. Obtendo os 10% de desconto, o material fica por R$ 154,30, configurando economia de R$ 17,15, que somada a dos livros alcança R$ 93,38, montante suficiente para comprar o livro de Artes da mesma lista, que sai por R$ 73,90.

A reportagem levantou os preços cobrados em papelarias e livrarias do Rio na primeira semana do ano e adotou um conjunto de práticas simples e acessíveis para reduzir o gasto final. Caso o grupo de compra coletiva não tenha um professor entre os responsáveis, a solução é procurar cada editora para negociar o desconto. Porém, terá que preencher cadastro no departamento comercial da empresa que, após avaliar título e quantidade a ser comprada, vai oferecer um abatimento que pode ser igual ou superior a 10%.

A aposentada Tânia Maria da Silva, 60, assume o papel de mãe e compra todo os anos o material escolar dos netos, Letícia, 13, João Paulo, 12, e Núria, 3, que frequenta o maternal. “Ainda estou aguardando a lista. Geralmente pago R$ 1 mil.”

Ela reclama dos livros por serem os itens que mais encarecem. “Às vezes eu gasto mais porque os netinhos querem o que é novidade e eu acabo fazendo a vontade deles”, disse, acrescentando que sempre parcela a compra.

A professora do estado Natiele Alves, 27, já se acostumou a comprar o material. Ela tem um filho de seis anos e lembra que em janeiro os preços nas gôndolas ficam mais altos, por isso comprou tudo em dezembro. “As escolas deveriam enviar a lista antes do dia 20”, frisou, acrescentando que desembolsou cerca de R$ 900.

Tânia Maria aguarda a lista do material e sabe que não sairá barato
Foto:  João Laet / Agência O Dia

Natiele não vê diferença no preço de partida dos livros entre as lojas físicas e virtuais. No entanto, por ser docente, ganha 5% de desconto em livrarias e 10% em papelarias. “Isso ajuda muito quando você coloca o total na ponta do lápis”, disse.

Mas ela sempre negocia antes de requerer o abatimento mesmo sendo professora, para ver se consegue descontos ainda maiores.

PLANEJAMENTO

Para o educador financeiro Reinaldo Domingos, a compra de material escolar é sempre motivo de preocupação. “Planejar a aquisição e ter tempo para fazê-la são ações que resultam em economia”, disse o autor do livro Terapia Financeira, acrescentando que os os valores estabelecidos pelas lojas podem ser questionados.

REAPROVEITAMENTO

Domingos recomenda o reaproveitamento dos itens adquiridos no ano anterior e que não foram usados ou estejam em bom estado. “É importante lembrar que as trocas de livros didáticos entre alunos de séries diferentes representam grande economia. Caso não possa trocar, doe o material para jovens de famílias necessitadas”, destacou.

ERRO COMUM

O especialista ressalta que um erro comum é levar os filhos junto na hora das compras. Ele sugere que o pai ou a mãe vá sozinho com a lista dos itens em mãos para adquirir somente aquilo que é necessário. Produtos licenciados também devem ser obtidos com cautela, pois são muito mais caros do que os comuns.

LOJAS VIRTUAIS

Domingos lembra que as lojas virtuais geralmente cobrem o preço das de rua e shoppings, que embutem no valor final os custos fixos e variáveis como tributos, aluguel e funcionários. Porém, se estiver em posse de um levantamento detalhado, o consumidor poderá negociar e levar o produto na hora, algo impossível no comércio eletrônico.

ATACADO

Caso o consumidor tenha dois filhos ou mais, ele pode trocar o comércio varejista pelo atacadista, onde as vendas são exclusivamente para quem compra em grandes quantidades. No caso dos livros, vale checar se há algum professor na família ou entre os amigos, pois o profissional pode, por lei, obter os exemplares com descontos e até preço de custo.

TRANSPORTE

“Antes de fechar com as vans escolares, veja a possibilidade de um revezamento com pais que moram na mesma área ou condomínio. Costuma ser muito divertido e cria uma relação de comunidade mais sólida”, disse, complementando que não sendo possível, os pais devem contratar vans regularizadas para evitar problemas futuros.

ALIMENTAÇÃO

Ele sugere que os pais comprem produtos para o recreio em atacados, para economizar na merenda. “Mas essa iniciativa deve ser precedida de um bom balanceamento nutricional. Ensine seu filho a comprar somente o necessário e não desperdiçar”, destacou, acrescentando que o pai deve saber com a direção da escola quais diferenciais a instituição terá em relação ao ensino de educação financeira.



Fonte: O Dia - Online

Nossas notícias são retiradas na íntegra dos sites de nossos parceiros. Por esse motivo, não podemos alterar o conteúdo das mesmas até em casos de erros de digitação.
imagem transparente




« Voltar
Notícias relacionadas
Clipping do Portal



Deseja receber o clipping?

 


Parceiros Parceiros Parceiros Parceiros Parceiros